Presencial + Online: 4 tendências para o mercado em 2022

O online ganhou espaço e público com novas possibilidades de interação, chats personalizados e avatares em ambientes 3D



A pandemia em 2020 trouxe um aumento significativo em eventos e atividades online, com o crescimento das atividades digitais nas mais variadas plataformas. Segundo levantamento do site Backlink.o, a plataforma Zoom, por exemplo, que em dezembro de 2019 tinha 10 milhões de usuários, passou para 200 milhões em março de 2020 e 300 milhões no mês seguinte. A experiência dos eventos remotos levantou questionamentos sobre a necessidade da volta aos acontecimentos presenciais e uma tendência: unir o presencial e o online em um mesmo momento. Para falar sobre essa tendência e as tecnologias envolvidas nos Eventos 4.0 - também conhecidos como híbridos - a Blitzar, plataforma de eventos digitais interativos, preparou uma lista com as 4 tendências de tecnologia em eventos para 2022.

1. Eventos presenciais menores


O contato dos usuários com plataformas online trouxe uma nova experiência para quem gosta de eventos, mas prefere não sair de casa ou não consegue se locomover presencialmente. A tendência dos espaços é que a área presencial seja menor, com um número reduzido de pessoas, para também dar lugar a uma parte virtual do evento, com usuários acessando os conteúdos de onde estiverem.


Apesar de um mesmo propósito, os eventos possuem características diferentes e são organizados como tal, visto que, cada versão do evento, seja presencial ou virtual, traz necessidades específicas para cada tipo de público, como a demanda de interação e integração entre participantes.


Uma pesquisa inédita realizada pelo Portal Eventos, com 583 entrevistados de diferentes gêneros e faixas etárias, mostrou que 35% disseram estar seguros em participar de um evento presencial, 37% sinalizaram que ainda não estão preparados e 28% mencionaram que talvez estejam prontos, no atual estágio de flexibilizações orquestradas por gestores públicos. Sobre os eventos híbridos, foi indagado se o público participaria dessa modalidade: a maioria (49% dos entrevistados) têm interesse em participar de eventos híbridos, enquanto 13% taxaram diretamente que não e 38% que considerariam a possibilidade. Os números mostram uma tendência para o início de uma abertura controlada, com eventos híbridos como possível caminho.


“Sabemos que haverá um retorno dos eventos presenciais, pois as pessoas querem se encontrar, mas acreditamos muito no evento híbrido como algo que irá existir e perdurar, pois hoje não faz mais sentido um evento apenas presencial, assim como muitos acontecimentos não farão sentido em serem apenas digitais”, diz Veruska Almeida, Chief Business Officer na Blitzar, plataforma de eventos digitais interativos.

2. Integração da plataforma online com o offline


A chegada desses meios alternativos intensifica uma comunicação mais próxima e integrada, ou seja, o evento presencial passa a ter transmissão virtual ao vivo, com muitos ângulos de câmeras e integração completa de todas as atividades realizadas no offline para que o público online consiga visualizar todos os momentos, desde as palestras até o coffee break.


Empresas precisaram se adaptar à nova realidade mista que, apesar do menor contato pessoal, também pode gerar o engajamento e interação entre os participantes que estão presentes das duas maneiras.


“Estamos reaprendendo a levar a interação, o engajamento e os recursos do digital ao público presencial, e vice-versa. Desta maneira, todos se sentem pertencentes ao universo interativo do evento”, reforça Veruska.



3. Estandes para marcas e propagandas também nos eventos online


O evento online propicia controle de engajamento e interação e, por isso, as marcas se sentem inclinadas a levar suas propagandas e publicidades ao universo virtual.

Isso tem sido comum em eventos recentes e é uma tendência a ser ampliada para os próximos anos, com ainda mais atividades a serem realizadas pelas marcas em mini-jogos na plataforma, integração com redes sociais para o uso de hashtags e até links redirecionados para o site da propaganda.


O cenário virtual consegue ser criado com base em uma simulação daquele presencial, para integrar ainda mais os dois públicos e sugerir a propaganda para ambos. Além disso, a metrificação do online acaba sendo melhor e pode trazer dados valiosos destas propagandas para as empresas anunciantes, coisa que existe no presencial, mas que não entrega tanta exatidão.


4. Engajamento ainda maior: avatares e gamificação


O engajamento, com o uso da tecnologia, consegue ser implementado de forma criativa e com a tendência de minimizar a falta do presencial. Algumas das ferramentas para isso são as salas virtuais interativas nos eventos, ambientes em 3D para os participantes do virtual transitarem, os chats, os espaços para perguntas e debates com áudio transmitido ao vivo no presencial, votações ao vivo, plateia virtual com mural de fotos e até avatares e gamificação.


“Um grande desafio é manter os participantes do online sempre a par do que ocorre no digital, especialmente nos intervalos entre palestras ou shows em eventos culturais ou em momentos de networking em caso de acontecimentos corporativos”, explica Veruska. “Estamos em um momento em que as pessoas buscam interação; mais do que ter acesso a um conteúdo online, precisamos oferecer integração e comunicação. E nós vemos um potencial enorme nos eventos 4.0 em gerar um universo híbrido cada vez mais relevante. E isso é algo que muda tudo”, finaliza.